26 junho 2013 // Impressões

Os dois lados de Cannes, por Gustavo Greco

Greco Leão de Prata 2013

Trabalho da Greco Design, premiado com Leão de Prata no Festival de Cannes

Trabalho da Greco Design, premiado com o Leão de Prata no Festival de Cannes

Convidado para jurado do Festival Internacional de Cannes, cheguei à cidade no dia 11 de junho ainda sem saber que aquela semana seria uma das mais intensas e desafiantes da minha carreira. Foram sete dias de trabalho pesado, muitos deles se estendendo até a madrugada. Nosso desafio era manter o ritmo e os critérios de avaliação ao longo da jornada, sem deixar que o cansaço interferisse nas decisões. A convivência com o grupo, o debate técnico em língua estrangeira e o clima de competição dão ao ambiente certa eletricidade, suavizada apenas pela bela vista da praia através da grande parede de vidro da sala do júri.

A categoria Design Lions teve 2.373 projetos inscritos do mundo inteiro. Os trabalhos são julgados individualmente nos primeiros três dias e analisados em grupo nos dias seguintes. A orientação da presidente do júri, a britânica Mary Lewis, era que buscássemos o que nunca tínhamos visto e gostaríamos de ver novamente. Escolhemos aproximadamente 200 projetos para fazer parte da shortlist da qual sairiam os vencedores do cobiçado Leão.

Greco Leão de Prata 2013

Ter um trabalho inscrito no processo em que você participa também como jurado foi, para mim, angustiante. O concurso é severo quanto às regras: nos momentos em que seu trabalho aparece no julgamento, você é obrigado a sair da sala. Os minutos de espera lá fora parecem não ter fim. Toda decisão sobre qualquer trabalho deve ser tomada com a anuência de pelo menos 12 dos 19 membros do júri. Portanto, se ilude quem pensa que fazer parte do júri facilita as coisas para você. Ao contrário, pode até atrapalhar.

Ao mesmo tempo, a sensação de voltar para a sala, aguardar a decisão final e saber que você ganhou um Leão de Prata é indescritível. Ouvir meus colegas do júri, profissionais de altíssimo nível, dizendo que merecemos um Leão foi sensacional. A Greco Design ganhou com a identidade da IV Bienal Brasileira de Design, um dos dez projetos brasileiros premiados este ano na categoria. Trata-se de um recorde do país em todas as edições do evento. O festival terminou no sábado, após a cerimônia final de premiação, e eu voltei para casa com a sensação do dever cumprido.

Greco Leão de Prata 2013

2 Comentários

Deixe seu comentário

(Obrigatório)
(Obrigatório e não será publicado)

Projetos em destaque

  • O objetivo é criar um equipamento que instrumentalizará a vida da região e da cidade

    Diferentemente de todos os estádios brasileiros já construídos, o Complexo Mineirão está situado numa região que dispõe de fartas áreas livres para abrigar todas as funções esportivas e complementares, exigidas tanto para sediar a Copa de 2014, quanto para garantir a sustentabilidade econômica e social do Conjunto após o evento.

    O objetivo é criar um equipamento que instrumentalizará a vida da região e da cidade, complementando as funções demandadas pela população. Será transformado em um centro de atividades esportivas, contemporâneo em tecnologia e sustentabilidade, sintonizado com o conceito da Copa Verde. Conjugando várias funções afins: esporte, lazer, entretenimento e cultura, será o espaço do encontro. (mais…)

  • Perspectiva do Varandão do Parque Municipal

    O Parque Municipal Américo Renê Gianetti foi a primeira área de lazer da cidade de Belo Horizonte, inaugurado em 1897, na antiga Chácara do Sapo.

    O local recebe diversos eventos culturais e de lazer que acontecem espalhados pelo Parque, sem infra-estrutura apropriada e que causam degradação de seus espaços. Dessa forma, um dos principais objetivos do empreendimento é a criação de um espaço multiuso que abrigue diversas manifestações de forma eficiente e segura, sem agredir o entorno e sem perturbar a vizinhança. Além disso, pretende-se a criação de um Centro de Memória do Parque Municipal, com o objetivo de sistematizar e socializar o acervo referente a historia do Parque e da cidade de Belo Horizonte.

    O terreno escolhido para implantação do Espaço Multiuso possui área de 4.425m² , tendo o edifício uma área construída de 3.200 m². O acesso principal ao edifício se dá pelo Largo do Sol, espaço que abriga grande número de pessoas e que possibilita a ampliação do público nos dias de eventos de grande porte.

    O projeto do edifício caracteriza-se por um amplo espaço multiuso coberto, de formato circular de onde se organizam todos os demais ambientes. Voltado para esse espaço, que possui capacidade para público de até 3.000 pessoas, foi proposto um grande palco para eventos, shows e apresentações teatrais, com toda a infra-estrutura necessária. (mais…)

  • Memorial da Imigração Japonesa

    O museu a céu aberto celebra a amizade entre o Japão e o estado de Minas Gerais e o que essa relação foi capaz de construir de concreto e de imaterial.

    O projeto é uma ponte sobre um lago.

    A ponte liga metaforicamente territórios, tempos, idéias e ideais.

    O lago é como o mar entre as nações, e, também, aquele dos desafios, das conquistas, dos tempos vividos. As ações e obras se tornam visíveis por meio de datas marcantes que emergem à flor da água, e os espaços submersos representam as regiões do inconsciente do sentimento e da memória.

    O percurso parte do Japão simbólico plantado de cerejeiras para a Minas dos Ipês-Brancos.
    Celebrando o Japão e Minas, foram ainda dispostas a cada lado, paredes curvas alusivas às duas bandeiras: o círculo e o triângulo vermelhos. É uma feliz analogia que fala da síntese e concisão comum aos dois povos.

    Sobre esta parede estarão impressos em baixo relevo os nomes de japoneses e mineiros que participaram da construção deste tempo de solidariedade.

    A forma da ponte simétrica e com curvas que se entrelaçam evoca ao mesmo tempo coesão, movimento contínuo e interdependência, e gera um percurso museológico de recursos multimídia e linguagem acessível para contar histórias de abertura, grandeza e amizade.

  • congonhas

    Museu de Congonhas

    Nossa proposta para o Museu de Congonhas, localizado junto ao Santuário Bom Jesus de Matozinhos, foi a vencedora do Concurso promovido pela Unesco em junho de 2005. O Projeto compõe-se de espaços para exposições de arte sacra, Centro de Estudos da Pedra e Centro de Referência do Barroco.

    A realização do concurso é resultado de um trabalho conjunto do Ministério da Cultura e da Prefeitura de Congonhas, com o intuito de criar um centro que possa reunir arte, história, tecnologia e fé. (mais…)


Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/storage/0/88/36/gustavopenna/public_html/blog-wp-gpaa/wp-content/themes/gustpennarq/sidebar.php on line 51

Cadastre-se

Mais informações sobre GPA? Preencha o formulário e receba nossa newsletter.